Área do Associado:

Esqueci minha senha

Associe-se

Associe-se

Agenda

Notícias

ROBOTIZAÇÃO E NOVAS HABILIDADES MARCAM A INDÚSTRIA DO FUTURO

O que esperar do cenário pós-pandemia? Essa é uma pergunta que tem se tornado frequente nos últimos meses, devido às políticas adotadas para conter o avanço da Covid-19, como o isolamento social, que tem levado diversas empresas a mudar sua dinâmica de trabalho. Diante de muitas incertezas, especialistas apontam que o que chamávamos de futuro do trabalho já é uma realidade, com diversos países já avançando no processo de automatização e robotização dos processos. E que não devemos temer essas mudanças, como apontou Joseph Teperman, palestrante convidado da live “Futuro da Indústria”, promovida nesta segunda-feira (25), pela Findes via Youtube.

Em bate-papo com o economista-chefe da federação e diretor executivo do Ideies, Marcelo Saintive, Teperman mostrou um fato que vai na contramão de todas as dúvidas levantadas quanto ao processo de robotização e automação dos processos produtivos – e também em outras áreas da sociedade: não haverá desemprego, mas sim uma transformação das profissões. Entretanto, o Brasil tem um longo caminho pela frente.

Segundo dados do International Federation of Robotics (IFR), trazidos por Teperman, enquanto a média global é de 85 robôs a cada 10 mil trabalhadores, o Brasil figura com apenas 10 robôs a cada 10 mil trabalhadores. A Coreia do Sul ocupa a dianteira do processo de robotização com 710 robôs a cada 10 mil trabalhadores. A China possui 97, com a promessa de ainda esse ano entrar para o Top Ten, possuindo mais de 132 robôs a cada 10 mil trabalhadores.

E quanto ao desemprego? Comparado a Coreia do Sul e a China, o desemprego no Brasil é muito maior do que nesses países. Em 2018, nós registramos uma taxa de desemprego de 12%, enquanto os países orientais registraram 3,7% e 4,7% respectivamente.

“Em 1990, o Brasil tinha um PIB per capita sete vezes maior do que o da China. Nos últimos anos, eles estão se robotizando e usando muito mais inteligência artificial do que a gente. Eles passaram a gente em PIB per capita, ajustado ao poder de paridade de compra e vai deixar a gente comendo poeira. Quem está causando o desemprego não é a robotização”, apontou Teperman.

O palestrante  mostrou como a robotização já vem sendo utilizada no cenário de pandemia, ajudando no processo de isolamento social em indústrias e também na área de saúde. Na China, por exemplo, robôs têm sido utilizados para medir a temperatura de passageiros que passam pelo aeroporto do país.

Durante a conversa, Saintive ressaltou que as tarefas rotineiras são as que tendem a ser automatizadas. “É uma questão complexa para nós, economistas, saber quem vai ser dar bem por ter uma capacidade maior para interagir com os robôs, e aquela parcela maior da sociedade que não possuem essas habilidades necessária para fazer gerar resultados e pensar em soluções para os problemas. Estamos ainda tentando entender melhor essa nova dinâmica do trabalho”, avaliou.

 

Caminhos

Diante as mudanças no mundo do trabalho, Joseph Teperman aponta que novas habilidades são necessárias para se manter ativo e atualizado no mercado, como adaptabilidade e a capacidade de agir diante às adversidades, o ser proativo e abraçar mudanças, sendo nós mesmos criadores do nosso próprio futuro.

Sócio-fundador de uma consultoria de recrutamento, a INNITI, Joseph Teperman ressalta ainda que buscar o propósito tem sido um ponto-chave para se adaptar nas mudanças rápidas que vem acontecendo no mundo.

“A palavra Carreira vem do latim Carraria e significa caminho estreito. Muitas pessoas têm seguido esse caminho estreito e, diante das mudanças rápidas do mundo, algumas dessas pessoas ficam para trás e entram em estado de desespero, porque não participaram da vida de uma forma ampla. Há 15 anos recebo pessoas na sala de entrevista que relatam sentir um vazio muito grande, de tentar buscar significado e propósito”, conta Teperman.

No bate-papo, ele apontou cinco soluções – chamadas por ele de antídoto – para essa situação. Confira!

1 – Aprendizado constante

O chamado lifelong learning é a capacidade de aprender constantemente. O conceito aborda a necessidade dos indivíduos manterem-se constantemente estudando e se desenvolvendo, como forma de acompanhar e se destacar neste mundo em constante transformação.

2 – Ter um plano A, B, C…

3 – Não se prenda ao diploma

Aqui ele faz uma provocação: “Você acredita no seu diploma ou que pode fazer qualquer coisa?”.

4 – Aproveite a crise

O palestrante aponta que grandes empresas do mundo digital cresceram em meio a crises e necessidade de adaptação para atender ao mercado consumidor. Casos como Instagram, Uber, Airbnb, Netflix, Facebook, Alibaba e a criação dos Bitcoins.

5 – Respeita a sua ancestralidade

Neste ponto, Teperman ressalta que o ser humano é empreendedor por natureza, em uma comparação histórica com a evolução do homem. Por isso, é necessário enxergar as oportunidades e se adaptar as mudanças. Ele também faz a provocação: “Em algum momento da história, colocaram na nossa cabeça que não somos capazes de trabalhar, se ninguém nos der um emprego. Convido vocês a apagarem a palavra desemprego do vocabulário de vocês.”

Fonte da Notícia: Findes Publicado: 28/05/2020
Sindifer -  Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e de Material Elétrico do Estado do Espírito Santo

Endereço Sede:

Rua Juiz Alexandre Martins de Castro Filho, nº 180 – Ed. Cesar Daher Carneiro, Santa Luiza - Vitória/ES - CEP 29045-250
Telefones: 27 3225-8457 - 27 3225-8821
E-mail: sindiferes@sindiferes.com.br
Findes

CNI
Site desenvolvido por Tribo Propaganda