Área do Associado:

Esqueci minha senha

Notícias

Produção industrial do es cresce acima da média nacional em 2021

A produção industrial do Espírito Santo cresceu acima da média nacional em 2021. De janeiro a dezembro do ano passado, o desempenho capixaba foi de 4,9%, enquanto o nacional teve alta de 3,9%. Com o resultado, o Estado volta a encerrar o ano com saldo positivo – o último havia sido em 2017 (1,7%) – e registra sua melhor performance desde 2014 (5,6%). 

Segundo os dados da Produção Industrial do Espírito Santo (PIM-PF), publicados nesta quarta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística (IBGE), em 2018, a queda foi de 1,7%, em 2019, a retração foi de 15,1% e, em 2020, de -14,5%. 

A economista-chefe da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) e gerente-executiva do Instituto de Desenvolvimento Industrial do Espírito Santo (Ideies), Marília Silva, explica que esse diferencial de desempenho entre o Estado e o país ocorreu por causa da maior participação das commodities da indústria de transformação. 

“Entre elas estão aço, celulose e rochas ornamentais, que na estrutura produtiva capixaba torna a dinâmica industrial mais atrelada ao comportamento do mercado externo. Em 2021, o cenário externo foi atrativo para as exportações desses produtos, o que impulsionou a produção do Espírito Santo”, elenca.

De acordo com a presidente da Findes, Cris Samorini, o desempenho da produção industrial poderia ter sido melhor caso não houvesse a influência de fatores como: a escassez e o encarecimento de insumos, a alta do preço da eletricidade causada pela crise hídrica e a elevação dos juros. 

Para ela, alguns desses pontos – a exemplo da inflação e dos custos produtivos – permanecem como desafios para este ano.

“Além disso, o ano de 2022 iniciou com sinais de moderação do crescimento no mundo devido ao avanço da Ômicron. Mas, independentemente das incertezas que ainda enfrentamos, temos que destacar a capacidade que as indústrias do Estado vêm tendo de se reinventar, inovar e a busca por ser cada vez mais competitivas”, frisa Cris Samorini.


Indústria da Transformação teve bom desempenho 

No Espírito Santo, o crescimento da indústria foi puxado principalmente pela indústria de transformação (15,2%). Segundo a economista-chefe da Findes, Marília Silva, contribuíram para esse resultado a melhora da demanda e dos preços das commodities (metálicas e celulose), a retomada da economia mundial e o crescimento do setor da construção.  

“Vale ressaltar que esse bom desempenho da indústria de transformação no Estado refletiu, também, na geração de 8,8 mil novos empregos com carteira assinada e no valor exportado, que cresceu 86,8% no ano passado”, aponta Marília. 

Em 2021, houve crescimento em todas as atividades que compõem a indústria da transformação: metalurgia (24,1%); produtos de minerais não-metálicos (17,2%); celulose, papel e produtos de papel (13,8%); e produtos alimentícios (5,6%).

Por outro lado, a retração da indústria extrativa exerceu uma espécie de freio sobre a indústria geral no Estado ao longo de 2021, caindo 11,5%. 

“Parte da queda na indústria extrativa foi decorrente da redução da produção de petróleo e gás natural causada pelo processo de declínio natural dos campos maduros do Espírito Santo. Outra parte pode ser explicada pela menor fabricação de minério de ferro sinterizado no Estado e pela parada da produção nas usinas capixabas de pelotização de Tubarão 1 e 2 para adequá-las à fabricação de briquetes de minério de ferro”, analisa a economista-chefe da Findes.   

Vale ressaltar que, apesar da queda da produção extrativa, o valor das exportações da indústria extrativa cresceu 142,6% em 2021, resultado puxado pelo aumento da cotação internacional das principais commodities do setor.

Tanto a indústria capixaba quanto a nacional expandiram em 2021, mas terminaram o ano ainda abaixo do nível produtivo pré-pandemia (fevereiro de 2020).


Produção do ES teve o 4º melhor resultado do país 

Quando comparamos dezembro de 2021 com o mês anterior (novembro), a produção industrial capixaba cresceu 4,6%, com alta de 5,5% na indústria de transformação e de 1,9% na extrativa.

Com o resultado positivo, o Espírito Santo teve o quarto melhor desempenho entre os estados pesquisados, ficando atrás apenas de Amazonas (14%), Goiás (8,8%) e Paraná (7,6%), e empatando com Mato Grosso (4,6%). 


Brasil cresceu 3,9% em 2021 

A produção industrial do Brasil cresceu 3,9% em 2021. De acordo com Marília Silva, esse resultado foi insuficiente para compensar a queda de 4,5% observada em 2020. “Mas vale ressaltar que a base de comparação esteve bastante deprimida no primeiro semestre de 2021, pois foi nesse período que a indústria sentiu os efeitos mais agudos da pandemia em 2020.”

Na média do país, tanto a indústria de transformação (4,3%) quanto a extrativa (1,1%) aumentaram a sua produção em 2021. 

“O ano de 2021 fechou no positivo, mas foi volátil durante os meses. No primeiro semestre, a trajetória foi mais crescente, e o ganho acumulado chegou a ser de 13%. Mas, no segundo semestre, houve perda de fôlego e a produção teve sequência de quedas”, explica Bernardo Almeida, gerente da PIM-PF. 
 

Fonte: Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes)

Sindifer -  Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e de Material Elétrico do Estado do Espírito Santo

Endereço Sede:

Rua Juiz Alexandre Martins de Castro Filho, nº 180 – Ed. Cesar Daher Carneiro, Santa Luiza - Vitória/ES - CEP 29045-250
Telefones: 27 3225-8457 - 27 3225-8821
E-mail: sindiferes@sindiferes.com.br
Findes

CNI
Site desenvolvido por Tribo Propaganda